05 outubro 2007

INDEX

01-Ferrara: uma cidade de música
02-O Mar
03-Moinho de Maré
04-Anos 30
05-O Piano
06-Alta Montanha
07-O Amor
08-A Paixão segundo Pedro Paixão
09-Natal
10-O Tempo
11-Viagem de Comboio
12-Verdi
13-Poesia
14-Classicismo
15-América
16-Canções de Amor e Ódio
17-No Reino do Sol Poente
18-Billie Holiday
19-Doença
20-Rádio
21-Alentejo
22-Ode Marítima
23-África
24-Guerra (Angola)
25-A Memória Vivida do 25 de Abril
26-Portugal – que futuro? (inédito)
27-Timor-Lorosae
28-Frank Capra (O Nome Acima do Título) [1ªparte]
29-Frank Capra (O Nome Acima do Título) [2ªparte]
30-Estrada Perdida [1ªparte]
31-Estrada Perdida [2ªparte]
32-Estrada Perdida [3ªparte]
33-Homens & Mulheres [1ªparte]
34-Homens & Mulheres [2ªparte]
35-Rosa do Mundo
36-Praia
37-Saudades do Mar
38-Mensagem
39-Oração Pagã
40-O Deserto


---------------------------------------------------------------------------------

Durante quase um ano, estiveram semanalmente disponíveis pela primeira vez na Internet, 39 (mais um inédito) das 57 emissões realizadas na TSF nos anos de 2000 e 2001. Tal como sucedeu com tantas e fascinantes salas de cinema pelo país fora, também as portas do cinema na rádio se fecharam. A Rádio são as pessoas e são as pessoas que fazem a Rádio. A série de programas «Como no Cinema» contou com a participação de cerca de oitenta pessoas. Sem elas, nada disto teria sido possível ou o resultado não teria sido certamente o mesmo.
Aqui ficam os nomes de todas as pessoas que contribuíram, cada uma à sua maneira, para que o cinema tivesse tido lugar na rádio. Todas elas participaram em «Como no Cinema»:

Aníbal Cabrita / Maria Azenha / Rogério Vieira / Fernando Grade / Fábio Koryu Calabrò / Giuseppe Borún / Fernando Alves / Inês Meneses / Sandy Gageiro / Pedro Malaquias / Arnaldo Antunes / Cláudia Almeida / Cristina Santos / Tânia Lobo / Ana Bravo / Mário Dias / Mário Máximo / Raquel Ferro / Baby Sandy / Mister-X / Hugo Dolores /Adélia Guerreiro / João Paulo Guerra / Paulo Canto e Castro / Márcia Breia / Guilherme Almeida / Miguel Azguime / Paula Azguime / Ilda Dourado / Albertina Ferreira / Virgínia Marques / João Andrade / Joaquim Francisco / João Camacho / Custódia Inácia Silva / André Tenente / Paulo Jorge Guerreiro / José Guerreiro / Ricardo Lima / Francisco Raposo / João Félix / Pedro Picoto / João Garcia / Sarah Adamopoulos / Paulo Dias / Pedro Vieira / Alexandrina Guerreiro / Luís Borges / Luís Paulo Borges / Pedro Paixão / Francisco Amaral / Carlos Adelino / José Francisco Colaço Guerreiro / Francisco Lança / Fernando Garcia / Lurdes Mateus / Maria Germana Tânger / João Grosso / Carolina Adamopoulos / Miguel Silva / Carlos Raleiras / Herculano Coroado / Artur Cassiano / Emídio Fernando / Almeida Santos / Rosa Coutinho / Pedro Pezarat Correia / Jaime Gama / Leonel Cardoso / Vicente Pinto de Andrade / Herlander Rui Caetano / Mésicles Helin / Manuel Acácio / Tiago Gomes / António Pocinho / Pedro Támen / Catarina Ruivo / Francisco Queirós / João Lopes / João Bénard da Costa
-------------------------------------------------------------------------------

Há pouco mais de sete anos, eis como surgiu na imprensa o anúncio do início de «Como no Cinema«:


Rádios preparam “Rentreé”
O fim-de-semana promete também uma estreia. Como no Cinema – título de um programa de Francisco Mateus – vai procurar dar a ouvir sons tão comuns como os ruídos do trânsito ou os vendedores numa praça, mas que podem passar despercebidos aos ouvintes.

In: PÚBLICO, terça-feira, 19 de Setembro de 2000


A sucinta descrição do jornal não era a mais exacta, como se verificou ao fim das primeiras emissões, mas é bem verdade que não era muito fácil fazer uma descrição exacta do conceito de um programa que abraçou vários estilos e várias linguagens estéticas. Seria um programa com palavra, mas não de palavra. Teria música, mas não seria de música. Teria poesia, prosa e teatro, mas não seria de literatura. Teria sons de filmes e bandas sonoras, mas não seria sobre cinema. Abordaria temáticas humanistas, filosóficas, existencialistas e sociológicas, mas não seria especialista em nenhuma destas áreas do conhecimento. Aludiria a acontecimentos históricos e políticos, mas não seria um programa documental com debates ou reportagens. Teria conversas, mas não seria de entrevistas. Teria um pouco de tudo isto e foi um pouco de tudo isto que teve. Foi a vida em sons projectando imagens.

You will come. There is only the desert for you.

E a vida continua aos sábados, a partir da próxima semana, em «Pontos de Fuga».